Temos que fazer muito mais com menos recursos, discursa Loi


Confira o discurso de posse do prefeito Haroldo Alves Pio abaixo, na íntegra

06/01/2017 10:28 - Atualizado em 13/02/2017 10:35 | Por: Otávio Manhani

Otávio Manhani - Arquivo/Jornal Comunicativo

Homenagens e inaugura%c3%a7%c3%b5es sta 2012 %2850%29 original
Prefeito Loi assumiu o seu terceiro mandato em Santópolis

Durante o discurso de posse realizado no dia 1º deste mês no Centro de Eventos Mc Café, o prefeito de Santópolis do Aguapeí, Haroldo Alves Pio, o Loi (PV), disse que os próximos quatro anos deverão ser de bastante economia nas contas públicas.

“O momento, infelizmente, não é de extravagância ou de esbanjar. Quando a gente lida com recurso público, nós temos que ter esta responsabilidade. Mas agora, em razão da crise, mais do que nunca, teremos que ser mais cautelosos. Temos que fazer muito mais com menos recursos”, frisou Loi.

O prefeito, que foi candidato único na eleição de outubro do ano passado, disse que durante a campanha eleitoral recebeu vários pedidos para que seu mandato tivesse como prioridade a Educação, Saúde e Assistência Social.

“Eu quero que toda a comunidade nos cobre, de uma forma razoável, para que nós possamos fazer o melhor para nossa cidade. O que eu quero deixar compromissado é que não faltará dedicação e empenho de minha parte e do Serginho [vice-prefeito Sérgio Cardoso de Almeida, o Boquinha (PSDB)] para que possamos fazer cada dia mais pela nossa cidade”, acrescentou Loi.

O prefeito disse ainda como pretende administrar a cidade diante de um cenário nacional marcado por escândalos de corrupção e os repasses do governo estadual e federal caindo gradativamente a cada ano.

“O país, infelizmente, está em crise. Então precisamos manter as contas em dia e conter as despesas, pois a situação financeira [da Prefeitura] não nos favorece. A Prefeitura não vende produto; ela presta serviço à comunidade”, ressaltou Loi.

O prefeito pediu a compreensão da população e dos vereadores neste momento crítico em que todos os municípios brasileiros enfrentam. “Junto somos mais fortes. Mas para estarmos juntos, temos que pensar da mesma forma: com economia, transparência, cortando despesas, enfim, precisamos fazer muito mais com menos”, concluiu Loi.

Discurso do prefeito Haroldo Alves Pio, o Loi (PV)

Bom dia!

Quero primeiramente agradecer a Deus pela oportunidade de estarmos aqui hoje participando deste momento democrático e importante para a nossa cidade. Quero cumprimentar as autoridades políticas, civis e militares e dizer que o pedido para que nós façamos um mandato voltado para a Educação, Saúde e Assistência Social, isso nós vamos querer de toda a comunidade para que nós nunca nos acomodemos com aquilo que conseguimos produzir no dia-a-dia.

Então, todos os dias, eu quero que toda a comunidade nos cobre, de uma forma razoável, para que nós possamos fazer o melhor para nossa cidade. A ajuda da família é a base de tudo; e é nela que a gente recorre nos momentos mais críticos.

Cumprimento todas as pessoas que aqui se fizeram presentes, num dia e horários complicados porque o 1º dia do ano recebendo visitas e praticamente no horário de almoço. Pretendo ser breve.

O que eu quero deixar compromissado é que não faltará dedicação e empenho de minha parte e do Serginho [vice-prefeito Sérgio Cardoso de Almeida, o Boquinha (PSDB)] para que possamos fazer cada dia mais pela nossa cidade. Quero cumprimentar o [ex-prefeito] Osanias e o [ex-prefeito Francisco Neto Correia] Chico Neto. Eu acho que todos nós conseguimos produzir algo. Cada gestão tem uma forma de pensar e nós temos que respeitar.

Então eu quero cumprimentar o mandato que vocês [Osanias e Néia] findaram na data de ontem [31/12/2016] e espero que tenhamos também um ano de 2017 bom. O país, infelizmente, está em crise. Então precisamos manter as contas em dia, precisamos conter despesas, precisamos fazer mais com menos porque a situação financeira [da Prefeitura] não nos favorece. A Prefeitura não vende produto; ela presta serviço à comunidade.

E nós aqui, por não termos grandes indústrias, por não ter condições de onerar o nosso cidadão, aumentando o IPTU ou o ISS. Então, nós vivemos basicamente dos repasses estaduais e federais. Como eles estão caindo de forma gradativa, infelizmente peço a compreensão e a paciência de todos: da população e dos vereadores, que, juntos, somos mais fortes.

Mas para estarmos juntos, temos que pensar da mesma forma: com economia, transparência voltada para o bem comum, cortando despesas, aproveitando viagens, enfim, precisamos fazer muito mais com menos.

O momento, infelizmente, não é de extravagância ou de esbanjar, mas, sim, de uma forma muito racional, mais do que nunca, porque quando a gente lida com recurso público, nós temos que ter esta responsabilidade. Mas agora, em razão da crise, mais do que nunca, teremos que ser mais cautelosos.

Então, peço desculpas se por ventura em alguma decisão que tomamos recentemente no período de transição, isso foi pensando na comunidade como um todo. Isso não refletiu o pensamento individual, apenas em minha pessoa. Espero que todos entendam e que tenhamos um 2017 de prosperidade e muita saúde. Muito obrigado a todos.