Morador de Piacatu é o novo promotor de Justiça substituto do MP de Santa Catarina


Antonio Junior Brigatti Nascimento, 28 anos, atuará na Promotoria de Justiça do município de Lages

25/06/2017 23:27 - Atualizado em 09/08/2017 10:56 | Por: Otávio Manhani

Otávio Manhani - Arquivo/Jornal Comunicativo

Antonio junior brigatti do nascimento 2017 %287%29 original
Promotor de Justiça do MP-SC, Antonio Junior, durante entrevista

Antonio Junior Brigatti Nascimento, 28 anos, natural de Piacatu (SP), foi empossado no dia 16 de junho como promotor de Justiça substituto do MP-SC (Ministério Público de Santa Catarina). Ele irá atuar na Promotoria do município de Lages (158.620 habitantes, segundo estimativa do IBGE 2016).

Além do piacatuense, outros 22 novos integrantes do MP-SC foram empossados no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça, em Florianópolis. O presidente da ACMP (Associação Catarinense do Ministério Público), Luciano Naschenweng, acompanhou a cerimônia de posse.

Filho único do casal Antonio Brigatti 56 anos, e Aparecida do Nascimento Brigatti, 52 anos, o jovem Antonio Junior Brigatti Nascimento entra para a história do município como o primeiro promotor de Justiça que é “filho de Piacatu”.

Trajetória

Antonio Junior Brigatti Nascimento estudou em escola pública até o 8º ano do ensino fundamental, tendo concluído na EE Prof.ª Cinelzia Lorenci Maroni, em Piacatu. Já os três anos do ensino médio foram no Instituto Noroeste, em Birigui (SP).

Ingressou na faculdade de Direito em 2006 no UniToledo (Centro Universitário Toledo), em Araçatuba (SP). No 4º ano de faculdade, iniciou estágio no Ministério Público do município de Rancharia (a 107 quilômetros de Piacatu), na região da Alta Paulista, onde permaneceu por dois anos.

Ao concluir o curso de Direito, foi aprovado na prova da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Posteriormente, fez pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal, no Damásio Educacional, em Araçatuba.

Aos 24 anos, fez a primeira prova oral no MP-SP (Ministério Público de São Paulo) para o cargo de promotor de Justiça, mas foi reprovado. Dois anos depois, realizou novamente a prova e, mais uma vez, foi reprovado na fase oral - que é a última fase.

Na segunda fase do concurso para o cargo de promotor de Justiça, Antonio Junior Brigatti Nascimento prestou a prova nos Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná, mas reprovou em todas. Foi aí, então, que ele decidiu prestar o concurso para promotor de Justiça no Estado de Santa Catarina, onde foi aprovado.

Antes de ser aprovado no concurso para o cargo de promotor de Justiça, o piacatuense trabalhou como analista de promotoria 1, no Fórum da recém-inaugurada Comarca de Bastos (a 58 quilômetros de Piacatu), onde era assistente do promotor de Justiça.

Depoimento

Em entrevista ao Comunicativo, o recém-empossado promotor de Justiça destacou que vários fatores o auxiliaram na aprovação do concurso. “A aprovação não vem por acaso, mas, sim, do conjunto de fatores, como família, namorada, professores, cursos e amigos”, mencionou.

Antonio Junior Brigatti Nascimento também frisou que, embora tenha sido reprovado nos concursos anteriores à sua aprovação, sua fé nunca foi abalada. “A crença em Deus foi um fator importantíssimo em minha aprovação”, acrescentou.

O promotor de Justiça reforçou que este conjunto de fatores foi essencial enquanto prestava os concursos, os quais, segundo ele, foram fundamentais, principalmente nos momentos de frustrações, quando foi reprovado.

“Tem que ter foco e persistência. Os obstáculos existem e devem ser superados. Aproveito para agradecer ao MP-SC pela receptividade”, concluiu.