Prefeitura de Santópolis adquire terreno para instalação de aterro sanitário


Despejo do lixo doméstico de Santópolis é feito no aterro sanitário de Piacatu há um ano

27/08/2017 18:16 - Atualizado em 06/10/2017 10:38 | Por: Otávio Manhani

Divulgação/Prefeitura de Santópolis do Aguapeí

%c3%81rea do novo aterro sanit%c3%a1rio de sta 2017 %285%29 original
Máquina realizando limpeza do terreno onde funcionará o aterro

A Prefeitura de Santópolis do Aguapeí adquiriu no início deste ano um terreno onde será instalado o novo aterro sanitário do município, que fica localizado no bairro rural Mundo Novo. A Prefeitura informou que está providenciando as licenças para iniciar as atividades no local.

A área, que mede pouco mais de três alqueires, foi adquirida pela Prefeitura por R$ 230 mil, sendo que, deste valor, R$ 110 mil foram deixados pela gestão anterior após a venda de um caminhão basculante e um trator agrícola, e outros R$ 120 mil pagos pela atual administração, com recursos próprios.

O prefeito Haroldo Alves Pio, o Loi (PV), diz que no local havia plantação de eucaliptos e a Prefeitura realizou a limpeza daquela área, a qual será utilizada para o descarte de vários materiais.

Loi explica que no mesmo espaço haverá locais específicos para o descarte, sendo o lixo doméstico depositado em um lugar, entulhos e galhos de árvores em outra área e, ainda, a Prefeitura poderá retirar terra do local para utilizar em aterros de terrenos urbanos, por exemplo.

“Com isso, otimizaremos viagens, pois o mesmo caminhão que levará entulhos e galhos de árvores no aterro sanitário, o mesmo poderá retornar com terra para aterrar terrenos urbanos. Isso não deixa de ser uma economia para o município”, frisa o prefeito

Aterro de Piacatu

Desde meados do ano passado, o destino do lixo doméstico recolhido em Santópolis do Aguapeí tem sido o aterro sanitário de Piacatu. O despejo desses materiais foi autorizado pelo então prefeito de Piacatu, Nelson Bonfim (PSD), atendendo a uma solicitação do então prefeito Osanias Viana do Carmo (PP).

O prefeito explica que a vida útil do aterro sanitário do município se esgotou, não tendo mais condições para realizar o destino correto do lixo domiciliar. Em nome do ex-prefeito Osanias, Loi estende seu agradecimento ao município de Piacatu pela compreensão. “Logo estaremos com o nosso aterro sanitário ativado e poderemos retribuir a gentileza”, diz.

Lixo no Brasil

De 2003 a 2014, a geração de lixo cresceu 29%, enquanto a taxa de crescimento populacional foi de 6%. Ou seja, o aumento da geração de lixo no país foi muito maior do que o crescimento populacional.

Os dados são do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil de 2014, da Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), que revela que, mesmo com a retração econômica do país, o ano de 2014 registrou um aumento da produção de lixo por pessoa em comparação ao ano anterior.

Ao todo, foram produzidos no país 78,6 milhões de toneladas de lixo em 2014.