Fábrica de calçados de Piacatu demite 30, e 28 cumprem aviso prévio


Principal motivo das demissões é a crise, embora demissões nesta época sejam comuns neste setor

30/09/2017 09:43 - Atualizado em 27/10/2017 14:53 | Por: Otávio Manhani

Otávio Manhani - Arquivo/Jornal Comunicativo

F%c3%a1brica de cal%c3%a7ados de piacatu 2016 %2811%29 original
Setor calçadista de Piacatu é o que mais gera empregos na cidade

A demissão de 30 funcionários em uma fábrica de calçados de Piacatu deixou os demais funcionários apreensivos. Há, ainda, outras 28 pessoas que estão cumprindo aviso prévio. Atualmente, a empresa possui 221 funcionários. As informações foram divulgadas pelo empresário Sérgio Dutra Vieira, que está no ramo calçadista desde o ano 2000.

O empresário reconhece que o setor calçadista no país enfrenta uma crise de vendas. Dados divulgados pela empresa IEMI (Inteligência de Mercado) mostram que o volume de vendas do varejo de vestuário e calçados caiu 3% no mês de julho deste ano.

Vieira garante que o principal motivo das atuais demissões foi devido à queda no volume de vendas, ocasionada pela crise financeira que o Brasil enfrenta. “Nesta época do ano, também são comuns as demissões no setor calçadista, pois, ocorre uma redução na produção de calçados”, justifica.

O empresário explica que no segundo semestre do ano, as empresas calçadistas produzem calçados para serem comercializados na estação do verão, como sandálias, papetes e sapatilhas. Segundo ele, a produção é mais fácil e rápida.

Já no primeiro semestre do ano, Vieira diz que as empresas calçadistas produzem botas e tênis para serem comercializados na estação do inverno. Por ser uma produção mais demorada, aumenta a necessidade de mais mão-de-obra.

Expectativas

Durante a entrevista, o empresário frisou que, dependendo da reação do mercado até o final deste ano e conforme estiver o planejamento da empresa, a expectativa para o início do ano que vem é voltar a contratar.

No início deste ano, embora com a crise financeira que o país enfrenta, Vieira diz que teve várias contratações, as quais conseguiu segurar até então. “Estamos sempre preocupados em ampliar as vagas de emprego, e não demitir”, frisa.

Quanto aos 28 funcionários que cumprem o aviso prévio, o empresário diz que, dependendo da situação da empresa, que este quadro poderá ser revertido, ou seja, que tais funcionários - ou alguns deles - poderão permanecer na empresa, sendo desconsiderado o aviso prévio.

Investimentos

Vieira convidou a reportagem para conhecer a área de produção da empresa. Na oportunidade, apresentou máquinas recém-adquiridas as quais, segundo ele, facilitam o trabalho e possibilitam uma produção mais eficiente.

O prédio onde funciona a fábrica de calçados é disponibilizado pela Prefeitura como incentivo à geração de empregos. O aluguel do local é pago pela Prefeitura, a qual está amparada por uma lei municipal que a autoriza realizar tal despesa. Outras empresas do município também recebem este auxílio.